Gestão corporativa com Software Livre

Segue um trabalho que fiz na faculdade sobre gestão corporativa com software livre.

Também listarei aqui meu rascunho para apresentação do slide, caso alguem tenha interesse.

Continuar lendo

Slide 1 = Apresentação
Assunto
Nome
Slide 2 = Gestão corporativa
Breve introdução do assunto

Governança corporativa é o conjunto de processos, costumes, políticas, leis, regulamentos e instituições que regulam a maneira como uma empresa é dirigida, administrada ou controlada. Os principais atores tipicamente são os acionistas, a alta administração e o conselho de administração. Outros participantes da governança corporativa incluem os funcionários, fornecedores, clientes, bancos e outros credores, instituições reguladoras (como a CVM, o Banco Central, etc.) e a comunidade em geral.
O corporate governance visa a diminuir os eventuais problemas que podem surgir na relação entre gestores e accionistas e, consequentemente, diminuir o risco de custos de agência.

Definição

A Governança Corporativa visa a aumentar a probabilidade dos fornecedores de recursos garantirem para si o retorno sobre seu investimento, por meio de um conjunto de mecanismos no qual se inclui o Conselho de Administração.

Dito de outra forma, “corporate governance é uma área […] que investiga a forma de garantir/motivar a gestão eficiente das empresas, utilizando mecanismos de incentivo como sejam os contratos, os padrões organizacionais e a legislação. O que frequentemente se limita à questão da melhoria do desempenho financeiro, como, por exemplo, a forma como os proprietários das empresas podem garantir/motivar os gestores das empresas a apresentarem uma taxa de retorno competitiva”

Slide 3 = Sistemas de gestão corporativa
Breve introdução [editar]
Beneficios
Existem algumas categorias e tipos de sistemas distintos de gestão empresarial. Muitas vezes, todos estão integrados sobre as asas de um mesmo sistema ERP, mas podem vir também separados, dependendo das necessidades:
Sistema de Gestão Patrimonial
Sistema de Gestão Eletrônica de Documentos
Sistemas de Controle de Estoque
Sistemas de Controle da Produção

Os sistemas de gestão empresarial, nas empresas onde são implantados, trazem os seguintes beneficios:
Eliminação de custos relativos a processos manuais e aumento da produtividade devido a automatização.
Aumento do fluxo interno de informação e integração entre os departamentos distintos nas empresas.
Otimização do processo de tomada de decisões.
Diminuição da redundância das atividades já que os processos passam a ser automatizados.
Aumento da precisão na obtenção de informações e relatórios, já que os dados passam a ser criteriosamente armazenados
No entanto, sistemas de gestão empresarial podem trazer as seguintes desvatagens e obstáculos:
A empresa passa a sofrer uma forte dependência da empresa que forneceu e implantou o sistema de ERP
Muitas vezes o alto custo que um sistema de gestão empresarial não trás um benefício semelhante ( baixo custo/benefício )
O aumento do controle sobre os processo e as pessoas, pode gerar resistência através de funcionários que não querem mudar seu método de trabalho
A integração dos departamentos da empresa pelo sistema, muitas vezes não se reflete em uma integração real da companhia
Slide 4 = Software Livre
Introdução sobre
Vantagens
Desvantagens
Como se ganha com software Livre

Software livre, segundo a definição criada pela Free Software Foundation é qualquer programa de computador que pode ser usado, copiado, estudado e redistribuído sem restrições. O conceito de livre se opõe ao conceito de software restritivo (software proprietário), mas não ao software que é vendido almejando lucro (software comercial). A maneira usual de distribuição de software livre é anexar a este uma licença de software livre, e tornar o código fonte do programa disponível.

Definição

Um software é considerado como livre quando atende aos quatro tipos de liberdade para os usuários do software definidas pela Free Software Foundation:
A liberdade para executar o programa, para qualquer propósito (liberdade n.º 0);
A liberdade de estudar como o programa funciona, e adaptá-lo para as suas necessidades (liberdade n.º 1). Acesso ao código-fonte é um pré-requisito para esta liberdade;
A liberdade de redistribuir, inclusive vender, cópias de modo que você possa ajudar ao seu próximo (liberdade n.º 2);
A liberdade de modificar o programa, e liberar estas modificações, de modo que toda a comunidade se beneficie (liberdade n.º 3). Acesso ao código-fonte é um pré-requisito para esta liberdade;
A liberdade de executar o programa significa a liberdade para qualquer tipo de pessoa física ou jurídica utilizar o software em quantas máquinas quiser, em qualquer tipo de sistema computacional, para qualquer tipo de trabalho ou atividade, sem nenhuma restrição imposta pelo fornecedor.
A liberdade de redistribuir o programa compilado, isto é em formato binário, necessariamente inclui a obrigatoriedade de disponibilizar seus códigos-fonte. Caso o software venha a ser modificado e o autor da modificação queira distribuí-lo, gratuitamente ou não, será também obrigatória a distribuição do código fonte das modificações, desde que elas venham a integrar o programa. Não é necessária a autorização do autor ou do distribuidor do software para que ele possa ser redistribuído, já que as licenças de software livre assim o permitem.
Para que seja possível estudar ou modificar o software (para uso particular ou para distribuir) é necessário ter acesso ao código-fonte. Por isso a disponibilidade desses arquivos é pré-requisito para a liberdade do software. Cada licença determina como será feito o fornecimento do código fonte para distribuições típicas, como é o caso de distribuições em mídia portátil somente com os códigos binários já finalizados (sem o fonte). No caso da licença GPL, a fonte deve ser disponibilizada em local de onde possa ser acessado, ou deve ser entregue ao usuário, se solicitado, sem custos adicionais (exceto transporte e mídia).

[editar]Venda de Software Livre
As licenças de software livre permitem que eles sejam vendidos, mas estes em sua grande maioria estão disponíveis gratuitamente.
Uma vez que o comprador do software livre tem direito às quatro liberdades listadas, ele poderia redistribuir este software gratuitamente ou mediante remuneração. As versões pagas geralmente são acompanhadas de algum tipo de serviço adicional, como direito a assistência técnica por determinado período e manuais, por exemplo. Muitas vezes comprar o software é mais vantajoso para o cliente final que não tem muita experiência em programação, poupando tempo.

[editar]Motivação
Os desenvolvedores de software na década de 70 frequentemente compartilhavam seus programas de uma maneira similar aos princípios do software livre. No final da mesma década, as empresas começaram a impor restrições aos usuários com o uso de contratos de licença de software. Em 1983, Richard Stallman iniciou o projeto GNU, e em outubro de 1985 fundou a Free Software Foundation (FSF). Stallman introduziu os conceitos de software livre e copyleft, os quais foram especificamente desenvolvidos para garantir que a liberdade dos usuários fosse preservada.
Para o Movimento do software livre, que é um movimento social, não é ético aprisionar conhecimento científico, que deve estar sempre disponível, para assim permitir a evolução da humanidade.

Em 1997, o Metrô de São Paulo iniciou a transição de suas máquinas para a plataforma Linux, como forma de conter gastos e manter a funcionalidade no trabalho. A iniciativa rendeu uma economia de aproximadamente 3 milhões de reais por ano. Em 2004, o gerente de informática da companhia, Gustavo Mazzariol, 53 anos, recebeu um prêmio pelo êxito na aplicação do software livre.
Um dos grandes desafios era gerenciar um sistema de e-mails para os funcionários. O grande número de licenças necessários para habilitar todos os empregados em um software fechado exigiu que o metrô migrasse para uma plataforma de código aberto, culminando no gasto de apenas R$ 1,40 por mês por usuário.
Abril.com

Vantagens do Software Livre

• Nao esconde, mostra o que faz
• Não adestra, educa
• Não impõe, oferece opcoes
• Não controla, deixa você decidir
• Não aprisiona, liberta (padrôes abertos)
• Nao exclui, permite compartilhamento
Vantagens
Custo social baixo;
Desenvolvido para os usuários;
Não se fica refém de tecnologia proprietária;
Independência de fornecedor único;
Desembolso inicial próximo de zero;
Não obsolescência do hardware;
Robustez e segurança;
Possibilidade de adequar aplicativos e redistribuir versão alterada;
Suporte abundante e gratuito (comunidade);
Sistemas e aplicativos geralmente muito configuráveis.

Desvantagens
Interface de usuário não é uniforme nos aplicativos;
Instalação e configuração pode ser difícil;
Mão de obra escassa e/ou custosa para desenvolvimento e/ou suporte;
Pessoas acostumadas com o Windows;

Casos de Sucesso
Banco do Brasil
Loterias Caixa
Conversão dos 25 mil terminais lotéricos, espalhadas por todo o país para Linux/Debian.
•Transações de 8 a 10 seg. para 3 a 4 seg.
•Economia de R$ 10 milhões a partir da
implantação em 2006

Metrô de São Paulo

Softwares Livres notáveis

Abaixo está uma lista com os softwares livres mais conhecidos e usados:
Sistemas operacionais: GNU/Hurd, GNU/Linux, BSDs, OpenSolaris.
Biblioteca padrão da linguagem: C.
Linguagens de programação: Python,Java, PHP, Servidores:
Servidor web: Apache.
Servidor de arquivos: Samba.
Navegadores Web: Firefox
Pacote de escritório: OpenOffice.org.
EaD, Educação a distância: Moodle
Sistema wiki: MediaWiki (sistema de wiki da Wikipedia).
Slide 5 = Exemplos Sistemas (ERP)
Resumo do que faz
Exemplos (Em imagens)
Quem usa

ERP (Enterprise Resource Planning) (Sistemas Integrados de Gestão Empresarial), são sistemas de informação que integram todos os dados e processos de uma organização em um único sistema. A integração pode ser vista sob a perspectiva funcional (sistemas de: finanças, contabilidade, recursos humanos, fabricação, marketing, vendas, compras, etc) e sob a perspectiva sistêmica (sistema de processamento de transações, sistemas de informações gerenciais, sistemas de apoio a decisão, etc).
São uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa, possibilitando a automação e armazenamento de todas as informações de negócios.
Assim, as informações trafegam pelos módulos em tempo real, ou seja, uma ordem de vendas dispara o processo de fabricação com o envio da informação para múltiplas bases, do estoque de insumos à logística do produto.
Um bom exemplo de como o ERP revoluciona uma companhia é que com uma melhor administração da produção, um investimento, como uma nova infra-estrutura logística, pode ser repensado ou simplesmente abandonado. Neste caso, ao controlar e entender melhor todas as etapas que levam a um produto final, a companhia pode chegar ao ponto de produzir de forma mais inteligente, rápida e melhor, o que, em outras palavras, reduz o tempo que o produto fica parado no estoque.

Algumas das vantagens da implementação de um ERP numa empresa são:
Eliminar o uso de interfaces manuais
Reduzir custos
Otimizar o fluxo da informação e a qualidade da mesma dentro da organização (eficiência)
Otimizar o processo de tomada de decisão
Eliminar a redundância de atividades
Reduzir os limites de tempo de resposta ao mercado
Reduzir as incertezas do Lead time
Incorporação de melhores práticas (codificadas no ERP) aos processos internos da empresa
Reduzir o tempo dos processos gerenciais
[editar]Fatores Críticos de Sucesso

Segundo uma pesquisa Chaos e Unfinished Voyages (1995) os principais fatores críticos de sucesso para um projeto de implantação de um ERP são:
Envolvimento do Usuário
Apoio da direção
Definição clara de necessidades
Planejamento adequado
Expectativas realistas
Marcos intermediários
Equipe competente
Comprometimento
Visão e objetivos claros
Equipe dedicada
Infraestrutura adequada

OpenBravo

Slide 6 = Exemplos Sistemas (CRM)
Resumo do que faz
Exemplos (Em imagens)
Quem usa

SugarCRM:
É uma solução flexível e de grande qualidade.
É um produto de excelência a custos mais baixos.
É totalmente customizável às necessidades do utilizador.
liberdade de escolha de módulos a utilizar e assente sobre uma arquitectura open source (Plataforma LAMP: Linux, Apache, MySQL, PHP) e compatível com qualquer sistema operativo.

http://www.sugarcrm.com

Um CRM tem três grandes objectivos:
Facilitar, automatizar e gerir toda a área de marketing;
Facilitar, automatizar e gerir toda a área comercial, os canais e a força de vendas;
Gerir os serviços prestados ao cliente.

Customer relationship management

Customer Relationship Management (CRM) pode ser traduzida para a língua portuguesa como Gestão de Relacionamento com o Cliente (Gestão de Relação com o Cliente, em Portugal). Foi criada para definir toda uma classe de ferramentas que automatizam as funções de contacto com o cliente, essas ferramentas compreendem sistemas informatizados e fundamentalmente uma mudança de atitude corporativa, que objetiva ajudar as companhias a criar e manter um bom relacionamento com seus clientes armazenando e inter-relacionando de forma inteligente, informações sobre suas atividades e interacções com a empresa.

O seu objetivo principal é auxiliar as organizações a angariar e fidelizar clientes ou prospectos, fidelizar clientes atuais na busca de atingir a sua satisfação total, através do melhor entendimento das suas necessidades e expectativas e formação de uma visão global dos ambientes de marketing.
O CRM abrange, na generalidade, três grandes áreas:
Automatização da gestão de marketing
Automatização da gestão comercial, dos canais e da força de vendas
Gestão dos serviços ao cliente

CRM e a Informática

Por vezes o CRM é entendido única e exclusivamente como os sistemas de computador desenvolvidos para a gestão de clientes, ou mesmo como sistemas de vendas ainda mais simplificados.
Na realidade o CRM é apenas o conceito conforme descrito acima, e os sistemas de informática são a ferramenta que auxilia na gestão do relacionamento com clientes, estas ferramentas são chamadas de Sistemas de CRM.

Slide 7 = Exemplos Sistemas (BPM)
Resumo do que faz
Exemplos (Em imagens)
Quem usa

O Gerenciamento de Processos de Negócio (português brasileiro) (em inglês Business Process Management ou BPM) é um conceito que une gestão de negócios e tecnologia da informação com foco na otimização dos resultados das organizações através da melhoria dos processos de negócio. São utilizados métodos, técnicas e ferramentas para analisar, modelar, publicar, otimizar e controlar processos envolvendo recursos humanos, aplicações, documentos e outras fontes de informação.

Slide 8 = Exemplos Sistemas (Colaboração)
Resumo do que faz
Exemplos (Em imagens)
Quem usa

Sistemas Cooperativos ou Sistemas Colaborativos são Sistemas de Informação que fornecem suporte computacional aos indivíduos que tentam resolver um problema em cooperação com outros, sem que todos estejam no mesmo local, ao mesmo tempo.
Estas ferramentas, denominadas groupware, aplicam conceitos de sistemas distribuídos, comunicação multimídia, ciência da informação e teorias socio-organizacionais.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Sistema_cooperativo

Slide 9 = Exemplos Sistemas (Gerenciamento de conteúdo)
Resumo do que faz
Exemplos (Em imagens)
Quem usa

Sistema de gerenciamento de conteúdo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Um Sistema de Gestão de Conteúdo – SGC, (em inglês Content Management Systems – CMS), é um sistema gestor de websites, portais e intranets que integra ferramentas necessárias para criar, gerir (editar e inserir) conteúdos em tempo real, sem a necessidade de programação de código, cujo objetivo é estruturar e facilitar a criação, administração, distribuição, publicação e disponibilidade da informação. Sua maior característica é a grande quantidade de funções presentes.
Podemos dizer que um CMS é um framework, “um esqueleto” de website pré-programado, com recursos básicos e de manutenção e administração já prontamente disponíveis. através de uma interface de utilizador via Internet. Um CMS permite que a empresa tenha total autonomia sobre o conteúdo e evolução da sua presença na internet e dispense a assistência de terceiros ou empresas especializadas para manutenções de rotina. Nem mesmo é preciso um funcionário dedicado (webmaster), pois cada membro da equipe poderá gerir o seu próprio conteúdo, diminuindo os custos com recursos humanos. A habilidade necessária para trabalhar com um sistema de gestão de conteúdo não vai muito além dos conhecimentos necessários para um editor de texto.
A aparência de um website criado com um CMS é customizável, através da utilização de templates que podem ser facilmente substituídos.
Um sistema de gestão de conteúdo reduz custos e ajuda a suplantar barreiras potenciais à comunicação web reduzindo o custo da criação, contribuição e manutenção de conteúdo.
Um grande exemplo de CMS é o Wordpress, um sistema em PHP, Open Source e de altíssima qualidade para gerir blogs ou portais cada vez mais completos.
O Wordpress é um CMS totalmente customizável por themes (ou templates).

Tem-se observado que ferramentas como Gestores de Conteúdo podem se tornar excelentes ambientes para o processo de ensino e aprendizagem e para a organização da informação produzida em ambientes com fins educacionais. Sejam eles em ambientes acadêmicos, sejam em ambientes empresariais.
A própria Wikipédia pode ser considerada um “gerenciador de conteúdo”, assim fomentando a busca, localização e criação de conhecimento em um ambiente distribuído e colaborativo.

WordPress
WordPress é um sistema de gerenciamento de conteúdos na web, escrito em PHP e executado em MySQL, especialmente para a criação de blogs
Gera XML, XHTML, e CSS em conformidade com os padrões W3C
Gerenciamento de ligações integrado
Estrutura de permalink amigável aos mecanismos de busca
Suporte extensivo a plug-ins
Categorias aninhadas e múltiplas categorias para artigos
TrackBack e Pingback
Filtros tipográficos para formatação e estilização de texto corretas
Páginas estáticas
Múltiplos autores
Suporte a tags (desde a versão 2.3)
Silde 10 = Conclusão
Comprar licenças e implantar softwares proprietários complexos como CRM (soluções de atendimento ao consumidor) e ERP (sistema de gestão empresarial) custa caro e nem sempre é acessível para boa parte das pequenas e médias empresas
Onde se ganha
Treinamentos
Consultoria
Suporte

Hoje, com esse moderno sistema de gestão de alta administração, o Presidente e os seus sócios-proprietários poderão profissionalizar as empresas e controlar de modo efetivo o seu patrimônio, podendo tomar assento nos Conselhos e delegar as responsabilidades do dia a dia a profissionais contratados, podendo se afastar de seus afazeres sem perder o efetivo controle da empresa.

Software Livre pode promover avanços tecnológicos em países periféricos
•Proporciona a Inclusão Digital
•Relação Custo x Benefício bastante positiva
•Futuro promissor
–Aumento do nº de usuários e pessoas que conhecendo as vantagens.
Slide 11 – Bibliografia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *